sábado, 11 de julho de 2020

Afetos e esperanças

Poesia
Por Ivanildo José da Silva, professor e militante popular e sindical.



A saudade do toque no braço,
A falta dos dedos na face,
A ausência da mão no ombro,
A carência do cafuné.
A lágrima desprovida de colo.
Esses vazios entristecem nosso dia,
Apertam e agoniam o peito,
Murcham nossa alegria.
Só a esperança acalenta:
A esperança do reencontro,
A esperança do (re)abraço,
A esperança do olho no olho,
A esperança do beijo,
Beijo mesmo,
Beijo estalado.
A esperança do corpo quente do abraço,
Abraço pra valer,
Bem apertado, demorado, colado.
Logo deixaremos a espera.
Breve será presença, vivida, num prazer arretado.

***

Um comentário:

Adicione seu comentário.