sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Caatingal

Poesia
Recebida em 26 de outubro de 2016
Por Gutemberg Miranda, que leciona Filosofia na UFAL.

"No sertão eu planto (...)"

No sertão eu planto a chuva,
o luar, a musa

Eu planto a vinha,
o mel,
abelha rainha

No sertão eu planto
a moça,
o véu, o roçado

Eu planto as moscas,
o céu,
a rapadura

No sertão eu planto a seca,
a cerca,
o sobrado

No sertão eu planto minha rede,
meu cansaço.

Eu planto a serpente,
o cortejo,
a romaria

Eu planto o sapo,
a estrada,
o assalto

Eu planto o couro,
o espinho
a miragem

Planto a espingarda,
a mira,
a solidão

No sertão eu planto a missa,
o xaxado,
a cachaça

Eu planto maconha,
tribos,
indigentes

Planto espigas,
sal,
cactos

Eu planto o aboio,
a mula,
a carruagem

Eu lavro cordéis,
ipês,
folhagens

Eu semeio léguas,
quadrilhas,
disparos

Eu planto cisternas,
fósseis,
pinturas rupestres

Eu colho carcaça,
pau de arara,
cruz na estrada.

"Eu semeio léguas (...)"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adicione seu comentário.