terça-feira, 30 de agosto de 2016

O nascer de uma guerreira do Sancho

Ensaio
Recebido em 22 de agosto de 2016
Por Roselle Siqueira, aposentada de tudo, inclusive da luta, mas que está voltando por causa do Grupo de Idosos 'Alegria de Viver' Sancho-Totó.

Moradores do Sancho articulam resistência

Passei os últimos 5 meses de uma forma nunca antes imaginada por mim.

Nunca saía de casa para conversar com a vizinhança; tinha mais o que fazer. Saía para a igreja, sou Batista, e para algumas compras para a casa. Tenho uma garota e um menino e meu marido trabalha.
Um dia, duas conhecidas da vizinhança batem em minha porta e me perguntam se estou sabendo que o governo quer ampliar o Complexo Prisional do Curado, e que para isso pretende demolir algumas casas. Dentre elas, a minha. Fico estarrecida. Como? Eu e meu marido estamos aqui há 5 anos. Reformamos toda a casa e ela está linda. Toda no porcelanato, tudo da forma que sempre desejamos. E agora vão derrubar algo com o que sempre sonhamos e nos sacrificamos tanto para ter?
As vizinhas me chamam para uma reunião dos moradores, que estão acontecendo para evitar que a demolição das nossas casas se concretize. Vou até lá, apesar de ser em outra igreja que não a minha. Vou fazer o que for preciso para manter nossas casas.
Agora, passados esses meses, fiz coisas que antes não sabia ter coragem de fazer. Fiz passeata, me sentei no chão no meio da rua para parar o trânsito, fui chamada de vagabunda, desordeira e desocupada. Me juntei com evangélicos de várias igrejas, católicos, espíritas, umbandistas e até gente que, para meu horror, não acredita em nada. Queimei pneu em rua e enfrentei Batalhão de Choque da polícia. Algumas vezes acompanhada por meu marido, minha garota e meu menino.
Fomos vitoriosos, por enquanto. E agora vou agradecer primeiro a Deus e depois à união de todos que se envolveram nessa luta.
Agora não me reconheço mais como do lar, pois essa energia que estava em mim adormecida continua sem querer dormir. O que fazer? Certamente me envolverei em novas lutas.

Relatos sobre Danielle Alves, uma das guerreiras do Sancho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adicione seu comentário.