quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Árvores e frutos da Floresta Negra

Ensaio
Recebido em 05 de agosto de 2016
Por Gutemberg Miranda, que leciona Filosofia na UFAL.

Heidegger caminha na Floresta Negra

O sistema cartesiano abre caminho rumo ao cosmopolitismo e à tolerância cultural. A apologia aos viajantes feita por Descartes lembra a apologia de Petrarca ao alpinismo enquanto forma de se aventurar nas paisagens humanas e geográficas. O amor ao desconhecido e à aventura é enaltecida por Descartes como um elemento fundamental para o saber. O saber não pode se desligar das experiências e dos descaminhos da existência, algo que o filósofo francês nos ensina com a autoridade do Método. Emmanuel Faye escreveu em um livro bastante interessante sobre Heidegger, Introdução do Nazismo na Filosofia, como as tentativas de desconstrução do cogito cartesiano encontram-se embaladas em nacionalismo, xenofobia e racismo. Algo que deve nos preocupar bastante nos dias de hoje, pois o desprezo pelos ideais da modernidade tem se tornado uma moda incessante nos ambientes intelectuais de todo o mundo.
Com a publicação dos cadernos negros de Heidegger, em que ele assume a tese nazista de conspiração judaica internacional – tese que serviu de pretexto para o extermínio dos judeus, isso depois de toda a história ser amplamente conhecida e as principais lideranças nazistas condenadas em tribunais internacionais –, não podemos nos silenciar para os riscos de uma leitura desatenta da obra heideggeriana. Faye propõe que se retire os livros de Heidegger das prateleiras de filosofia, pois tal obra estaria na contramão da razão iluminista e emancipatória que sempre acompanhou o discurso filosófico. Heidegger representa(ria) o apogeu daquilo que Lukács já havia anunciado como o assalto à razão, algo que deve ser levado a sério e que passa a assumir proporções mais graves na medida em que os cadernos negros foram publicados. É importante dizer que críticos como Habermas e Victor Farias, que escreveram denunciando a relação de Heidegger e o nazismo, não tinham conhecimento desses cadernos quando escreveram suas críticas.
Os centros de pedagogia e filosofia devem ficar atentos e vigilantes contra a propagação acrítica da obra de Heidegger. Não são os acadêmicos que tirarão as obras de Heidegger das prateleiras de filosofia, mas a própria história. Ou o próprio Heidegger pode ser responsabilizado por sua aversão ao conhecimento filosófico, pois como ele gostava de afirmar, toda ação exige uma responsabilidade. E suas ações políticas e posições acerca do acontecimento envolvendo os principais fatos sociais e políticos de sua época exigem uma resposta. Heidegger era amante do nazismo mais do que do pensar, e esta sua opção não pode ser ignorada nos meios acadêmicos, uma vez que agora podemos confirmar nitidamente os vínculos entre suas ideias filosóficas e suas ações políticas.
Evitar que a apologia do nazismo ocorra disfarçada de filosofia representa uma atitude de responsabilidade intelectual e de combate contra as ideologias racistas. Trata-se de uma questão política e pedagógica atual, em que todos devemos assumir as responsabilidades na luta contra o etnocentrismo e a xenofobia. A desnazificação que ocorreu no pós-guerra não tinha elementos suficientes para condenar Heidegger à prisão. Caso Heidegger tivesse a coragem de assumir seus posicionamentos abertamente nazistas, sua biografia seria outra. Cabe portanto cumprir o destino que ele não teve coragem de seguir. Sua facticidade não o permitiu ir tão longe, mas se seu desejo era se comprometer com a lógica assassina dos judeus, e se sua obra tem ligações com o antissemitismo, é preciso desconstruir Heidegger e destruir seus argumentos nazistas com toda a força da razão. Que as sementes semeadas por ele na floresta negra e suas plantas daninhas possam ser substituídas por outra ecologia, e que outros frutos possam germinar nesse esforço contra a disseminação em massa de discursos obsoletos cuja caturrice ludibriou um século de pensamento filosófico.

Descartes, autor de Discurso sobre o método (1637)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adicione seu comentário.