quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

"Me segura senão eu caio": por que o frevo não toca o ano inteiro?

Ensaio
Recebido em 15 de fevereiro de 2015
Por Renato K. Silva, doutorando em Ciências Sociais pela UFRN.

Elba Ramalho na última noite do carnaval recifense,
no palco do Marco Zero

"Se a única coisa de que o homem terá certeza é a morte;
a única certeza do brasileiro é o carnaval no próximo ano".
[Graciliano Ramos]

Não é de hoje que uma dúzia de frevos sustenta o carnaval de Olinda e Recife. Na última terça-feira de carnaval, do ano corrente, na apresentação de Elba Ramalho, no Marco Zero, houve um ponto de inflexão no maior palco da folia recifense: Elba tocou dois axés de Ivete Sangalo e a plateia foi ao delírio. A cantora paraibana misturou axé com frevo e isso não passou despercebido para muita gente que, inclusive, afirmou que o Marco Zero estava parecendo o Circuito Barra-Ondina. Exagero. A recepção calorosa do público ao axé demonstra que não é de agora que há fissuras no gênero, por excelência, do carnaval pernambucano, o frevo, e que este está cada vez mais permeável, ou melhor, perdendo espaço para ritmos musicais alienígenas – axé, samba, eletrônico, funk, sertanejo universitário, etc.

Não vejo problema nenhum na mistura dos elementos sonoros, até por que a propaganda do “Carnaval Multicultural”, empreendida nas administrações petistas, formatou um certo jeito de entendermos a nossa maior festa popular, assim como a nossa tradição sincrética no tocante às experimentações e hibridizações com culturas congraçadas em nossa terra. O que seria dos nossos ritmos musicais sem a livre permissividade que, historicamente, encampou suas lutas no pluralismo cultural? Certamente não teríamos a complexidade e a sofisticação que temos hoje.
Pois bem, o argumento central deste texto é o seguinte: o frevo vive há anos em um paradoxo – é um ritmo musical, orgulho do povo pernambucano, mas, ao mesmo tempo, tem sua longevidade amplamente tributada à subvenção governamental, seja ela no mecenato público ou na regulamentação de executarem-no exclusivamente nas ladeiras de Olinda, por exemplo, na época do carnaval. Isto é, não fossem os recursos governamentais, as regulamentações e as execuções sazonais sobretudo no período momesco, provavelmente o frevo já teria virado um epifenômeno.
É estranho observar como um ritmo musical centenário, como é o caso do frevo, precise de regulamentações e subvenções governamentais para continuar a existir quando há, de fato, uma solícita recepção, não apenas por parte dos turistas, como também do próprio povo pernambucano. Público há, faltam as condições materiais e simbólicas, para além dos incentivos governamentais, para que o frevo possa se perpetuar de maneira vigorosa, e não ser uma expressão musical moribunda tendo apenas sobrevida na época do carnaval.
Vejamos o exemplo do samba, que este ano está chegando ao seu centenário. O samba está vivíssimo se comparado ao frevo, e por quê? Não entrarei nem no tema da estratégia que as administrações sobretudo varguistas imprimiram para alçar o samba como ritmo musical por excelência da identidade brasileira, que fez o samba sair do cadinho regional para o nacional.
A certa altura, o samba e o frevo, até meados das décadas de 1970-80, tinham o mesmo modus operandi no que se refere à distribuição dos seus lançamentos: os sambas e os frevos novos eram prensados – discos – por volta de novembro e dezembro; quando chegava fevereiro, eles já estavam na boca do povo.
O samba ainda mantém relativamente a mesma estratégia, sobretudo nos sambas-enredos das Escolas do Grupo Especial que tem seus temas gravados em discos e distribuídos meses antes do carnaval, [sendo] executados nas rádios cariocas e fluminenses. Já o frevo perdeu-se nas formas tradicionais de distribuição – discos –, especialmente com o fechamento da lendária e única grande fábrica de discos fora do Eixo Rio-São Paulo, a Rozenblit, localizada na Estrada dos Remédios, Afogados [Recife/PE], e que fora fechada em 1984 devido à ampla concorrência das multinacionais do setor e das sucessivas enchentes que destruíram os equipamentos da fábrica inúmeras vezes.
A Rozenblit era responsável não só pelas gravações dos novos frevos, como também de boa parte dos demais ritmos musicais pernambucanos: coco, maracatu, baião, ciranda, (…). Com o fim da fábrica, o frevo não tinha mais como escoar seus novos sucessos às vésperas dos carnavais. Não é estranho observamos que parte significativa dos frevos que ainda ouvimos venham do período da Rozenblit.
Talvez o maior inimigo do frevo seja o fato de não estar em cena, isto é, o frevo não é executado nas rádios tampouco aparece na televisão fora dos festejos de momo. O principal ritmo musical pernambucano é alienado de sua população por conta de uma prática a qual todos fazem vista grossa: o “jabá”.
O “jabá” significa o mecenato privado (pagamento) que um empresário faz para uma Rádio X, para que esta rádio execute as músicas de seu artista. É por isso que quando você navega com o 'dial' de seu rádio sente um “ar” de familiaridade nas estações, ou um déjà vu, pois todas executam o mesmo grupo de artistas e os mesmos ritmos musicais. Faça um teste: ligue agora o rádio numa FM qualquer e, certamente, estará em execução um axé ou um sertanejo universitário.
A prática do “jabá” não é solitária; junto com ela está a indústria cultural que, não se enganem, é uma instância altamente econômica e política, trabalha em sistema, rede e de uma maneira racionalizada. Como exemplo, vejamos o caso do samba. Falamos que antes do carnaval o público na Marquês de Sapucaí já está com os sambas-enredos na ponta da língua; pois bem, além disso, os sambas são tocados nas novelas ou nas vinhetas da Globo; distribuídos por meio do selo 'Som Livre'; nos sistemas de rádio; nas propagandas tanto da iniciativa privada quanto pública e, tudo isso, numa lógica racionalizada: maximizando os lucros e minimizando as perdas na razão – os fins comerciais justificam-se por si próprios.
Voltando para o tema do paradoxo, o frevo encontra-se encalacrado num dilema cujas autoridades não conseguem achar termo: deve continuar subvencionando com iniciativas como o 'Paço do Frevo', por exemplo, enquanto o mesmo não é veiculado nas rádios; na programação das tevês locais; num circuito de atrações para além do carnaval, etc. Qual a alternativa para fazer do frevo um ritmo musical perene o ano todo?
Bem, pesa contra o frevo o seu alto custo de execução; não dá pra fazer um “frevo fundo de quintal”. Uma reles fanfarra exige mais músicos do que qualquer grupo de brega, por exemplo. Além disso, o frevo é um ritmo que exige um grau razoável de virtuosismo e preparo físico, sobretudo respiratório.
Outra coisa: não é por que não haja renovação no ritmo. Há, sim. O problema é que os novos frevos não são executados nos meios de comunicação de massas nacionais, tampouco pernambucanos. Não há espaços que os veiculem dentro do circuito comercial. Restando apenas as rádios universitárias ou públicas, ou seja, mais uma vez os espaços subvencionados. Sem contar a nossa conveniência de não ir atrás das novidades. Todos os anos ficamos descendo e subindo as ladeiras, ou no Centro do Recife, cantando a mesma dúzia de frevos. Compositores de frevo, como Getúlio Cavalcanti, afirmam que todos os anos compõem novos frevos, porém eles não são veiculados, tampouco há apelo para que eles toquem os trabalhos recentes. Fica todo mundo pedindo: "canta O último regresso!".
Talvez uma saída para o frevo seja apresentá-lo às novas gerações. E esse exercício deve ser feito a partir das escolas municipais, que possuem estruturas físicas razoáveis, por exemplo. Para tanto, dar aulas de percepção musical com ênfase no frevo, e também de dança, com especial interesse no ritmo, que é uma dança popular fisicamente plástica, e que ajudaria também na educação física.
Dando continuidade, seria interessante criar um circuito para o frevo além do subvencionado pelo mecenato público. Ou seja, vide o brega e seus correlatos [tecnobrega, brega-funk, etc.] que começaram galvanizando os programas de auditório local no início dos anos 2000; estes recebiam caravanas de escolas públicas. Por conseguinte, os programas construíram um público, de início, nas periferias, e hoje, alastrado por toda a cidade. Basta observar o brega chique-andrógino classe média de um Johnny Hooker, ou o brega-fuleiragem, também de classe média, de um Faringes da Paixão.
Como espaços para escoar a produção do brega local, vejamos o exemplo do bairro de Jardim São Paulo. Há nele, hoje, três casas noturnas que tocam, quase exclusivamente, brega e seus desdobramentos. O brega é um exemplo de uma música que conseguiu consolidar-se por si mesma, firmando um circuito, aqui em Recife, com seus agentes destituídos dos aportes tradicionais da indústria cultural (sistema, rede, racionalização); esta, que ajudou tanto o samba quanto mais recentemente o funk, no Rio; tampouco o brega tem subvenções governamentais, como tem o frevo, tanto na capital quanto no interior.
Talvez o caminho que o frevo precise trilhar esteja no exemplo do brega, que começou se permitindo às influências de outros ritmos, depois partiu para a luta de conquistar seu público e seus meios de distribuição – casas noturnas, programas de tevê, rádios, camelôs comercializando CDs piratas, etc. Precisamos de mais Spoks, Maestros Forró e outros para oxigenar o frevo e, acima de tudo, precisamos cobrar mais políticas públicas que façam o frevo, futuramente, não precisar mais destas. Do contrário, o frevo continuará com sua existência tal o refrão de 'Pagode Russo', de Luiz Gonzaga e João Silva: “Parecia até um frevo naquele vai ou não vai”.

Banda 'Ovelha Negra'

2 comentários:

  1. Sim. Falta muito. Falta sobretudo uma politica cultural e ainda uma modernização com menos instrumentos para popularização. As grandes orquestras ficariam para um determinado tipo de frevo. O samba adquiriu vários nomes/variações. O frevo também, mas precisa sair do Parabéns pra você, Hino Nacional, Noite Feliz e Adeus Ano Velho, cantado em situações específicas.

    ResponderExcluir
  2. Síntese perfeita, para o problema do frevo não ser tocado, só vejo coerências nesse texto.

    ResponderExcluir

Adicione seu comentário.