terça-feira, 16 de setembro de 2014

Por um mandato ecossocialista, feminista e em defesa dos direitos sociais, civis, humanos e dos trabalhadores!

Ensaio [1]
15 de setembro de 2014
Por Fabiana Honório, militante ecossocialista e candidata a deputada federal por Pernambuco, n° 5022.

Vivemos um tempo marcado pelo avanço da barbárie: a privação dos direitos fundamentais para a vida humana; a destruição ambiental que nos aproxima cada vez mais de uma catástrofe ecológica que ameaça a nossa própria existência, sob o comando cego do capital; as guerras imperialistas; as violências; a criminalização e o encarceramento da pobreza; a degradação do trabalho; todas as formas de dilapidação da vida pelo capital colocam o desafio, a responsabilidade e a necessidade de construir uma alternativa à ordem capitalista.
Diante desses grandes desafios, as urnas tornam-se muito pequenas. Nelas, não cabem os nossos sonhos e as necessidades de transformação que nossa época exige. Por isso, ao lançarmos nossa candidatura, colocamo-la como uma possibilidade de abertura de diálogo com @s lutador@s sociais sobre as questões de nosso tempo, com aquel@s que buscam uma nova ordem societária, sem opressão, sem exploração e sem destruição ambiental!
Nasci em Recife-PE e hoje resido em Ipojuca-PE. Aproximei-me da política muito cedo, ao deparar-me com o crescimento da pobreza e a exploração dos trabalhadores na cidade de Ipojuca, que trabalhavam no corte de cana de açúcar, um emprego duro, temporário e precário. Sou militante ecossocialista e feminista e atuo na defesa das bandeiras das mulheres, das juventudes, d@s negr@s, da comunidade LGBTT, do transporte público e do trabalho.

Meio ambiente: Exigimos medidas urgentes de proteção ao meio ambiente e ao sistema climático do nosso planeta. Não ao agronegócio, empreiteiras, bancos e petroquímicas!

Tarifa zero: Por um transporte público de qualidade e gratuito, com tarifa zero! Menos carros nas ruas é mais proteção ao meio ambiente. Mobilidade urbana é um direito!

Educação: Por uma educação pública, de qualidade e gratuita! É dever do Estado garantir condições para acesso e permanência. Somos a favor das cotas sociais e raciais e investimento público no setor. Educação não é mercadoria!

Liberdade de protesto: Protesto não é crime! A manifestação e a organização política são direitos democráticos. Somos contra a criminalização das lutas sociais e dos ativistas. Pela libertação e pelo arquivamento dos processos contra @s ativistas.

Pela desmilitarização da polícia: A atual estrutura de segurança pública incorpora uma lógica militarizada que estabelece a concepção de que sempre há o inimigo que deve ser monitorado e combatido. Partindo da ideia de que o povo é inimigo do Estado, a polícia torna-se agente de violação dos direitos humanos das classes trabalhadoras e de qualquer um que se levante contra as opressões promovidas pelo Estado brasileiro e pelo poder do capital. Defendemos uma mudança no modelo de segurança pública existente, com a desmilitarização da polícia e um controle popular que permita por meio de ampla participação a definição da política de segurança e a garantia da criação de mecanismos de controle externos das atividades desses órgãos.

Mulheres na luta por direitos e respeito: A violência contra as mulheres é uma das expressões mais explícitas das desigualdades de poder entre homens e mulheres, em geral legitimada socialmente. Assume múltiplas formas que englobam ameaças, coação ou força, sofrimentos físicos, sexuais ou psicológicos. Em Pernambuco, quase metade das mulheres assassinadas em 2013 foi vítima da violência doméstica. Esse ano, até fevereiro, 38 mulheres já tinham sido assassinadas.
Nossa campanha coloca-se como porta-voz dos direitos das mulheres. Lutamos para que o aborto seja descriminalizado e legalizado, e as mulheres não tenham que pagar com a própria vida ao recorrerem a clínicas clandestinas e uso de medicamentos. É preciso estabelecer prazo-limite para a interrupção da gestação, bem como formas de acolhimento das mulheres e de realização do procedimento na rede de saúde pública e privada.
No trabalho, as mulheres fazem parte do setor mais pobre e precarizado das classes trabalhadoras. O crescimento do emprego feminino deu-se principalmente no setor informal da economia, que emprega predominantemente as mulheres destituídas de quaisquer direitos trabalhistas e que recebem em média metade do salário dos homens. E em pior situação se encontram as mulheres negras, que recebem a metade do que ganham as mulheres brancas. Ainda se encontram responsáveis pela dedicação maior de horas para o trabalho doméstico não-remunerado. A eliminação das desigualdades entre mulheres e homens no trabalho também é parte fundamental do nosso projeto radical (que vai à raiz) de mudanças na sociedade.

Fabiana Honório - Deputada Federal 5022 – Pernambuco
Para acessar as propostas da candidatura, clique aqui.

Nota
[1] Administrado pelo Movimento Síntese Socialista, o blogsintese é aberto a colaborações de ativistas e intelectuais ligados aos interesses das classes populares e dos trabalhadores. Em debate interno, o Síntese definiu apoio à candidatura de Fabiana Honório 5022 para deputada federal. Este texto é parte da divulgação dos materiais e posições da candidatura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adicione seu comentário.