quinta-feira, 24 de julho de 2014

Debate público analisa a Copa da FIFA no Brasil

Ensaio
24 de julho de 2014
Por Mauricio Gonçalves, militante social e doutorando em Ciências Sociais pela UNESP [Araraquara].

No próximo sábado, dia 26 de julho de 2014, às 9h30 no SINDPD [Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados de Pernambuco] acontecerá mais um debate público do Projeto Espaço Socialista sobre “A copa da FIFA no Brasil”. O evento contará com a presença de Túlio Velho Barreto, pesquisador da FUNDAJ [Fundação Joaquim Nabuco] e Rud Rafael, integrante do Comitê Popular da Copa de Pernambuco e do Grupo Direitos Urbanos.
A Copa da FIFA no Brasil não começou apenas no dia 12 de junho com o jogo Brasil-Croácia. Mesmo vários anos antes, em 2007, com a aprovação/eleição do Brasil como sede do megaevento, várias preparações e alterações legais foram introduzidas no país com o objetivo de sediar o mais importante evento esportivo do planeta. As implicações sociais, como os despejos de uma série de brasileiros para a realização de obras públicas, políticas e legais, como a inclusão de feriados estaduais nos dias dos jogos na Arena Pernambuco da Odebrecht, alterações nos calendários escolares, etc e para as próprias lutas sociais, com a implementação de um mais rigoroso procedimento de repressão, mostraram as modificações pelas quais o país teve que passar para receber um dos eventos que mais acumulação de capital gera, tanto para a FIFA especificamente como para as grandes empresas patrocinadoras.
A população brasileira de fato acompanhou a Copa com bastante interesse apesar do fraco desempenho da seleção brasileira. O seu fracasso gerou um debate acerca da identidade e cultura nacionais, com vários jogadores encarando os jogos como verdadeiras batalhas/guerras em defesa da honra patriótica, muitas vezes incentivados pelo clima de comoção nacional impulsionado pela grande mídia corporativa que, depois do fiasco em campo, tentou desfazer o encanto e mostrar que as derrotas contra a Alemanha e a Holanda foram “apenas jogos”. Nesse clima, os reveses dentro de campo geraram mais reflexões sobre as derrotas fora de campo, como as repressões intensificadas, o superfaturamento das obras, a corrupção do futebol, a conivência do poder público e o domínio das grandes empresas sobre o cotidiano dos brasileiros. Em 2016, será a vez das Olimpíadas no Rio de Janeiro e muito do que vimos na Copa da FIFA deverá se repetir e mesmo se intensificar. Analisar a Copa da FIFA e a lógica dos megaeventos é entender como se processa a dominação econômica, política e ideológica nos dias de hoje. Alguns dos temas que serão avaliados no debate:
(a)      A relação entre futebol, sociedade brasileira e a identidade nacional;
(b)      Um panorama do futebol e a indústria do entretenimento nos dias de hoje;
(c)      O papel da copa da FIFA no atual contexto social e político e o seu legado para o Brasil;
(d)      O futebol pode ajudar a explicar o mundo ou é mundo que explica o futebol?
(e)      Um panorama do futebol (megaeventos) e a indústria do entretenimento nos dias de hoje;
(f)       As implicações da copa da FIFA nos direitos dos brasileiros;
(g)      Análise e explicação dos comitês populares da copa.
A iniciativa é uma das ações do Projeto Espaço Socialista que tem como objetivos: (1) criar um fórum de debates permanente que seja crítico e autocrítico das e para as esquerdas em Pernambuco; (2) servir como ponto de apoio para aglutinação de ativistas e interessados nas lutas sociais de libertação dos explorados e oprimidos; (3) colaborar para o desenvolvimento de uma cultura de tolerância entre ativistas sociais de diferentes origens e tradições; (4) ajudar na formação teórico-política das gerações atuais e futuras.

Serviço
Debate público | A copa da FIFA no Brasil
Data: 26 de julho de 2014, sábado.
Local: SINDPD PE, Rua Bispo Cardoso Ayres, 111, Boa Vista, Recife PE [pela rua do Príncipe, primeira rua à direita após a UNICAP].
Horário: 9h30-13h
Debatedores: Túlio Velho Barreto [Pesquisador Fundaj] e Rud Rafael [Comitê Popular da Copa e Grupo Direitos Urbanos].

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adicione seu comentário.