segunda-feira, 24 de julho de 2017

'Queimada!', ou não sei por que lembrei de Sérgio Moro e da TV Globo

Ensaio
Recebido em 24 de julho de 2017.
Por Armando Coelho Neto, que é delegado aposentado da Polícia Federal e jornalista.

Brando e Marquéz em Queimada! (1969), de Gillo Pontecorvo

Pregar a revolução nas colônias de Portugal e Espanha foi a missão dada pela Inglaterra para Sir William Walker. Ele deveria encontrar um escravo corajoso capaz de liderar e convencer outros a lutar contra os portugueses. Esse grupo de revolucionários receberia todo apoio, inclusive financeiro. Dirigido pelo engajado Gillo Pontecorvo, eis parte do enredo de Queimada! (1969), filme estrelado por Marlon Brando. Num misto de ficção e realidade, ambientado numa fictícia ilha caribenha, o longa-metragem é inspirado na história do Haiti. Na prática, a obra é um manual de tramas, manhas e artimanhas do submundo do capital e, ao mesmo tempo, se revela um manual de doutrinação política.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Venezuela: choque de realidade contra a “pós-verdade” (2)

Ensaio
Recebido em 6 de julho de 2017.
Por Anisio Pires, Cientista Social pela UFRGS.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

O que podemos fazer então os que defendemos a Revolução Bolivariana sabendo que tudo isso é uma grande mentira? Encher-nos de paciência e insistir com doses adequadas usando choques de verdade.

terça-feira, 18 de julho de 2017

Reflexões sobre a Revolução Russa no ano de seu centenário (3)

Ensaio
Recebido em 20 de junho de 2017.
Por Michel Zaidan Filho, Professor Titular do Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFPE.

Cartaz da Rússia revolucionária

Já a questão da relação entre democracia e socialismo divide os marxistas há muito tempo. Marx, que não morria de amores pela “democracia burguesa”, pareceu não dar muita importância a essa questão. Apesar da tese dos marxistas contemporâneos, apoiados em Gramsci, apontarem para um processo de ampliação do Estado nas sociedades ocidentais, em razão da constituição de uma sociedade civil robusta e complexa, acho difícil encontrar no pensamento de Marx abrigo para uma estratégia democrática radical para o advento do socialismo. Existe, é verdade, o testamento de Engels falando do avanço eleitoral da social-democracia alemã, no final do século 19, e da possibilidade de uma vitória eleitoral do proletariado naquele país. Entretanto, esse testamento tornou-se mais um problema, na história das disputas internas no pensamento socialista, do que uma solução. Foi preciso esperar os debates do pós-guerra, para ver a elaboração daquilo que veio a ser conhecido como “eurocomunismo” e de uma estratégia democrática (processual) para o advento do socialismo.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Venezuela: choque de realidade contra a “pós-verdade” (1)

Ensaio
Recebido em 6 de julho de 2017.
Por Anisio Pires, Cientista Social pela UFRGS.

Manifestação popular na Venezuela

O bombardeio midiático construído sobre as dificuldades reais, embora induzidas, que se vivem na Venezuela (violência, escassez de produtos e inflação) tornou o nosso país o laboratório mundial da “pós-verdade”.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Dois pesos e duas medidas da justiça de um olho só

Ensaio
Recebido em 14 de julho de 2017.
Por Robério Paulino, professor da UFRN, ex-candidato a Prefeito de Natal/RN e membro do PSOL.

Lula presta depoimento a Sergio Moro

O objetivo é claramente mudar a quadro das eleições em 2018 e o ritmo de aplicação das (contra)reformas nos próximos anos. Não é apenas Lula que está sendo condenado, mas a luta dos trabalhadores e as esquerdas. Se há algo a ser condenado não é Lula em si, mas sua política de conciliação com a direita corrupta e com o grande empresariado durante seus governos, os mesmos que agora se voltaram contra ele e o PT.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Reformismo ou Revolução...Eis a questão!

Ensaio
Recebido em 03 de julho de 2017.
Por Leal de Campos, militante socialista, ex-preso político e economista.

A imanência de uma questão recorrente

Quase sempre se defende a “democracia” como um conceito acordado tanto por parte das esquerdas como da direita dita “esclarecida”. É muito corriqueiro se ouvir que “a democracia, com todas as suas falhas, ainda é a melhor forma de governo”. E baseado nisso, indispensável se faz ao sistema capitalista manter uma aparência democrática para continuar atuando, e assim gerir a sociedade por muito mais tempo.

domingo, 2 de julho de 2017

Solidariedade com os trabalhadores do transporte rodoviário!

Nota
Recebido em 2 de julho de 2017.
Por Organizações Sindicais e Movimentos Sociais.

Trabalhadores rodoviários no Centro de Recife/PE

O Guará, Oposição Rodoviária CSP-Conlutas.

Tod@s à greve dos rodoviários para derrotar a proposta rebaixada da patronal!

Amanhã (3) será um dia muito importante para a categoria dos rodoviários em Pernambuco. Depois de uma assembleia que aprovou greve na sede do sindicato na última quinta feira (29) os trabalhadores estão se preparando para parar a cidade por reajuste salarial, contra as demissões e por segurança.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Reflexões sobre a Revolução Russa no ano de seu centenário (2)

Ensaio
Recebido em 20 de junho de 2017.
Por Michel Zaidan Filho, Professor Titular do Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFPE.

Assembleia do Soviet de Petrogrado em 1917 

Mais complicado é, sem dúvida, a questão da democracia liberal. Num momento em que a Assembleia Constituinte estava funcionando e mantinha a pluralidade partidária, tanto quanto os Conselhos de Operários e Soldados, os bolcheviques decidiram fechar [aquele] órgão de representação política [e manter] os Conselhos, sob a alegação de conspiração ou oposição contrarrevolucionária à nova ordem instituída. O que teria levado Rosa Luxemburgo a dizer que a democracia e a liberdade de expressão só se colocam para quem diverge de nós, não para quem pensa igual à gente. Na verdade, a questão da democracia no âmbito da cultura marxista-leninista sempre foi encarada como um expediente tático. Nunca como estratégia revolucionária.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Terceirizados da UFPE são pressionados a assinar demissão

Nota
Recebido em 26 de junho de 2017.
Por Coletivo Graúna.


O golpe já é conhecido. Rompe-se o contrato de uma empresa terceirizadora, a empresa alega falência e diz não poder arcar com as verbas rescisórias. Pressiona os trabalhadores a participarem de uma fraude e a assinarem um documento pedindo demissão. Com isso, livra-se de pagar a multa de 40% sobre o saldo do FGTS e o aviso prévio trabalhado ou indenizado. O trabalhador fica no dilema. Se a empresa demora a dar baixa na carteira, pode perder a chance de ser repassado para a próxima empresa. Se exige seus direitos, sofre a ameaça indireta de ficar “marcado”.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Reflexões sobre a Revolução Russa no ano de seu centenário (1)

Ensaio
Recebido em 20 de junho de 2017.
Por Michel Zaidan Filho, Professor Titular do Centro de Filosofia e Ciências Humanas/UFPE.

Revoltosos atacam polícia imperial do Czar na Revolução de Fevereiro de 1917

O primeiro ponto a se considerar sobre a Revolução Russa, numa retrospectiva de 100 anos, é: ela foi a última revolução europeia contra o capitalismo do século XIX ou ela pode ser caracterizada como a primeira revolução na periferia do mundo capitalista?