domingo, 17 de junho de 2018

Greve dos caminhoneiros: todos juntos em defesa da ordem!

Ensaio
Coletivo Transição, agrupamento antissistêmico de ativistas.



Que lições tiramos desta verdadeira crise econômica e institucional que o país viveu por 10 dias? A maioria da sociedade foi surpreendida pela greve dos caminhoneiros. 2 milhões deles, sendo 600 mil autônomos: categoria importantíssima para o país, já que quase todo o transporte é feito sobre rodas, pauperizada e sujeita a terríveis jornadas de trabalho e perigos. Para o governo não deveria haver surpresas: ignorou por meses as reivindicações da categoria, desenvolveu a politica de American First (EUA em primeiro lugar) da Petrobras, superfaturou os preços dos combustíveis, diminuiu sua capacidade de refino interno, exportou e vem exportando óleo cru e importando gasolina de acordo com o preço do dólar, gerou desemprego e, com isso, onerou o custo dos transportes.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

O desterro como vocação: a prosa ficcional de Philip Roth

Ensaio
Por Renato K. Silva, que atualmente é doutorando em Ciências Sociais pela UFRN e foi pesquisador visitante na Universidade da Califórnia, em Los Angeles.

O escritor Philip Roth

***

Se há um traço indelével na prosa ficcional de Philip Roth (1933-2018) é a marca do desterro. As personagens de Roth tem estampadas em suas trajetórias um sentimento de inquietação no tocante ao não pertencimento físico e moral às circunstâncias que estão inseridas. E esse mal-estar possui dupla face: identitário e sexual.

domingo, 3 de junho de 2018

Ciro Gomes, o príncipe

Ensaio
Por Thiago Arrais, que mora no Ceará.



Ciro Gomes é um “animal político”, menor apenas do que Lula no cenário brasileiro. Não se trata, somente, de fazer da política carreira e ofício (há muito mais gente neste bonde), mas de saber transitar, servindo-se disso, pelas múltiplas camadas do espectro político do país. Num certo sentido, Ciro é ainda mais desenvolto que Lula nesse malabarismo das contradições: apenas num recorte recente, aquele que já foi o homem forte de Tasso Jereissati e FHC, sentou-se ao lado de Luciana Genro, elogiou Boulos, foi elogiado por Manuela D'Ávila, jantou com Haddad, comportou-se como um leal aliado de Lula e Dilma. O homem que diz querer banir o fisiologismo do golpista PMDB tem, como seu possível vice, o atual vice-presidente da Fiesp, que liderou o golpe à Dilma e ao PT e é quadro do PP (o mais corrupto partido político do país de acordo com o TCU). O candidato que já conta com o voto de Caetano Veloso e dá palestra para o público ambientalista do Teatro Oficina, é o desenvolvimentista de estreitas relações com grandes empreiteiros da construção civil e do agronegócio, tendo sido há até pouco tempo alto executivo da CSN, liderando a malfadada e superinflacionada construção da Transnordestina.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Expectativas em baixa

Ensaio
Por Maurilio Botelho, que é Professor de Geografia Urbana na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, UFRRJ/Campus Seropedica-RJ.



As propostas e discussões sobre a paralisia dos transportes revelam bem o quanto estamos presos ao imediato: a única reflexão mais alargada do ponto de vista temporal é a que aponta a dependência nacional ao transporte rodoviário. Mas mesmo quem trata disso tem de enfrentar a resposta mal humorada de que pensar no longo prazo não resolve o problema de agora. Nosso horizonte histórico é repartido sempre entre o momento atual e um futuro indeterminado. A busca “séria” e “realista” por medidas imediatas a serem adotadas indica o beahaviorismo de uma sociedade em crise: as medidas de curto prazo são as respostas salivares oferecidas a um horizonte social cada vez espremido.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

A greve dos caminhoneiros e a esquerda revolucionária

Ensaio [*].
Por Rafael Massuia, professor de Sociologia da Universidade do Centro-Oeste (Unicentro), campus Irati-PR.



Se a greve dos caminhoneiros, que completa hoje 6 dias, e não dá ainda indícios claros do seu encerramento (e, muito menos, da “normalização”, que, segundo previsão de alguns analistas, poderá levar 2 semanas) não alcançasse nenhuma conquista efetiva, mesmo assim, teria sido de grande valia pelo inestimável aprendizado que forneceu para a classe trabalhadora e as esquerdas de forma geral.

terça-feira, 29 de maio de 2018

Contextualizando a paralisação dos caminhoneiros

Ensaio
Por Larissa Jacheta Riberti, que é historiadora social pela Unicamp, fez estágio doutoral na UNAM, atualmente é pós-doutoranda pela UFSC e colabora com o Jornal de Caminhoneiros Chico da Boleia já há seis anos.



"Pessoal, jamais imaginei que o texto que escrevi sobre a greve dos caminhoneiros pudesse viralizar. Acredito que isso aconteceu em função do grande desconhecimento que ainda temos com relação à categoria e o setor em geral. Muita gente só se deu conta do quanto somos dependentes do transporte rodoviário de cargas depois que faltaram itens nos supermercados e a gasolina no posto de combustível. Ninguém é obrigado a conhecer a categoria, de toda forma. Mas eu acredito que o diálogo horizontalizado é a melhor maneira da gente se esquivar dessa enxurrada de fake news e de informações distorcidas que a grande mídia insiste em nos empurrar. O texto que eu publiquei suscitou uma série de questionamentos e, com vistas a esclarecê-los, escrevo essa nota. Lembrando que eu não sou senhora da razão nem a luz que iluminará a consciência de vocês ou dos caminhoneiros sobre a situação atual. Sou apenas alguém que teve a sorte de trabalhar com isso nos últimos anos e que reflete sobre questões e acontecimentos relativos ao setor.

sábado, 26 de maio de 2018

Os fósseis dão as cartas

Ensaio
por Renato K. Silva, que cursa doutorado em Ciências Sociais pela UFRN e foi pesquisador visitante na Universidade da Califórnia, em Los Angeles.



A paralisação dos caminhoneiros nas estradas do país deu visibilidade a um nó do tamanho dos nossos mais de oito milhões de quilômetros quadrados: como nossa economia é dependente dos derivados de petróleo e das rodovias para escoar a produção nos mercados interno e externo.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

O simplismo na análise da paralisação dos caminhoneiros

Ensaio
Por Larissa Jacheta Riberti, que é historiadora social pela Unicamp, fez estágio doutoral na UNAM, atualmente é pós-doutoranda pela UFSC e colabora com o Jornal de Caminhoneiros Chico da Boleia já há seis anos.



quinta-feira, 17 de maio de 2018

Marx 200: um prólogo

Ensaio
Por Betto della Santa [*]

"O amor é o desejo de se doar – e não o de receber – algo. E amar é a arte de produzir algo de novo a partir das possibilidades de outrem. Para isso, são necessários a admiração e o afecto do ser amado. Mas é sempre algo factível, ao alcance das mãos. O desejo excessivo de ser amado tem de facto muito pouco a ver com aquilo que o verdadeiro amor realmente é" (Bertolt Brecht).



sábado, 12 de maio de 2018

Sobre o caráter da burguesia brasileira

Ensaio
Por Luiz Filgueiras, Graça Druck e Uallace Moreira [*].



No projeto-programa em vigor no governo Temer, comandado por uma burguesia cosmopolita com “complexo de vira-latas”, não existe uma nação nem interesses nacionais. Assim, ele não necessita de universidades públicas que pratiquem, de forma integrada, o ensino, a pesquisa e a extensão – e ajudem a formar uma nação.