sábado, 21 de abril de 2018

O Céu de Suely em tempo de andanças

Ensaio
Por Marcia Malcher, pesquisadora e crítica de cinema.

Hermila na estrada em O céu de Suely

O Céu de Suely (2006, Karim Aïnouz) conta uma parcela da vida de Hermila, uma jovem de vinte e um anos que está de volta à sua cidade natal, Iguatu, no interior do Ceará, depois da tentativa de morar em São Paulo não ter dado certo. Chega com o filho no colo e a promessa de refazer a vida na cidade junto ao marido, Mateus, que virá em seguida.

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Lula e a defesa do Estado Democrático de Direito no Brasil

Opinião
Por João Paulo da Silva, pesquisador de pós-graduação em Sociologia.




Relutei muito em usar este espaço para me posicionar, justamente por estar cansado de debates e embates com quem simplesmente não busca entender algo além de suas paixões. Mas não posso me furtar em marcar uma posição pública neste momento histórico tão perigoso.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Um Conto Chinês

Crítica
Por Marcia Malcher, pesquisadora e crítica de cinema.

Capa do DVD brasileiro

O filme Un Cuento Chino (Um Conto chinês), coprodução Argentina/Espanha, conta a história do encontro inusitado e completamente por acaso de Roberto (Ricardo Darín), um vendedor de ferramentas, com Jun, um chinês perdido na Argentina que está à procura de um tio.
Roberto não se acostuma com gente, leva uma vida de manias… E ao se ver obrigado a hospedar Jun enquanto este não encontra o tio, ele o faz contrariado. A relação de incomunicabilidade entre os dois se deve tanto à estranheza de idiomas como à convivência forçada, de completo desajuste.

terça-feira, 20 de março de 2018

Nova tradução brasileira dos Manuscritos econômico-filosóficos, de Karl Marx

Resenha
Por Francisco Xarão, professor de Filosofia do Instituto de Ciências Humanas e Letras, Unifal-MG.

Capa da nova edição da Martin Claret

Com a tradução de Luciano Martorano e com textos de abertura de Ingo Elbe e Paulo Denisar Fraga, acaba de chegar ao mercado editorial brasileiro, vertidos diretamente da edição alemã das Obras Completas de Marx e Engels (MEGA2), os Manuscritos econômico-filosóficos, de Karl Marx (Editora Martin Claret, 2017, 336 páginas).

sexta-feira, 9 de março de 2018

A hecatombe de Vitória e a luta republicana em Pernambuco

Ensaio
Por Gutemberg Miranda, professor de Filosofia da UFAL.

Igreja do Rosário, local da hecatombe

Em 1880 o país fervilhava com as demandas abolicionistas e republicanas a permearem a agenda política nacional. Pernambuco viveu com muita intensidade os anos que antecederam tanto a proclamação da república, quanto a abolição da escravidão. Um fato silenciado por nossa historiografia regional e nacional pode servir de parâmetro para compreendermos o clima do país naquele período: a hecatombe de Vitória em 1880 revela a perversidade de nossas elites na busca pelo poder e o quanto a nossa democracia penou para ser implantada num processo tortuoso que culminou com a proclamação da república. A tese de que os brasileiros assistiram à proclamação “bestializados” não tem fundamentos historiográficos quando olhamos a história pernambucana.

quinta-feira, 1 de março de 2018

Nina Rodrigues e a questão racial: breve nota sobre a marginalização do negro no Brasil

Ensaio
Por Renato Melo, estudante de Direito e ativista social.

Nina Rodrigues (1862-1906).

É fato notório que
a população negra brasileira foi colocada à margem e excluída de todos os espaços decisórios da sociedade brasileira. Em verdade, não apenas os negros, mas também indígenas. O presente texto discorre brevemente sobre o médico Nina Rodrigues que para muitos foi o iniciador da antropologia criminal brasileira, inclusive conhecido como o “Lombroso dos trópicos” em referência ao médico italiano Cesare Lombroso. Em suma, o que segue trata-se apenas de uma breve nota sobre o papel do médico Nina Rodrigues no processo de estigmatização e exclusão dos negros no Brasil.

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Descrença recorrente e dificuldades para superar

Ensaio
Por Leal de Campos, militante socialista, ex-preso político e economista.

Mao, Stalin e Kruschev

Há algum tempo que se identifica uma grande descrença em relação ao que se fala sobre socialismo e comunismo. Fora do campo da militância política das várias organizações partidárias e populares – nas quais algumas pessoas se dizem “marxistas” – essas premissas deixaram de empolgar outras para além desses nichos voltados, especificamente, para si mesmos.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Lições e rumos para 2018

Ensaio
Por Ana da Hora, ativista social.



O capitalismo se prepara abertamente para abandonar todo e qualquer papel social. Empresas estão assumindo a guerra e a pilhagem no Oriente Médio, por exemplo. Prisões e todo o sistema de saúde passam para empresas nos EUA. Mas essa tendência vai demorar a ser percebida mundialmente e vai ganhar força proporcional ao avanço da automação. A burguesia que depois da 2ª grande guerra se esforçava em aparentar ser a guardiã do humanismo, abandona definitivamente esta máscara.

sábado, 6 de janeiro de 2018

O pobre de direita é um figurante de burguês

Ensaio
Por José Menezes Gomes, Doutor pela USP e professor do curso de Economia de Santana/AL e do Mestrado em Serviço Social da UFAL.

O professor José Menezes Gomes

O pobre de direita se acha liberal mesmo não tendo capital e propriedade. Ele é contra os direitos trabalhistas pois espera um dia ter capital e propriedade para ser um explorador da força de trabalho dos outros. Ele é contra os direitos sociais pois acha que isto reduzirá os seus lucros futuros quando ele for capitalista e puder explorar os trabalhadores, sendo que ele é trabalhador, mas não se reconhece como tal. Ele é contra o Estado, pois acha que quando ele tiver capital e propriedades não vai querer que o Estado estabeleça limites ao seu desejo de ficar rico explorando os trabalhadores.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

'Na natureza selvagem' e a descoberta do humano

Ensaio
Por Héricka Wellen, que tem formação em Letras e Educação e é pesquisadora.



Na natureza selvagem (Into the Wild, 2007) conta a história real de Christopher Johnson McCandless – jovem de família abastada estadunidense que deixa a família e o conforto material para buscar, fora da civilização, sua “emancipação espiritual” no ano de 1990. Roteirizado e dirigido por Sean Penn, o filme é uma adaptação do livro homônimo de Jon Krakauer, escrito em 1998, com base no diário de Chris e em entrevistas com sua família e com os amigos que ele encontrou na sua jornada.