terça-feira, 22 de outubro de 2019

Bacurau: um objeto não identificado

Crítica
Por Marcia Malcher, doutora em Sociologia pela USP.

[...] Alguém soluça e lamenta
Todo esse mundo tão mau.
Bichos da noite. Sérgio Ricardo.

Cena do filme de Mendonça e Dornelles

Bacurau” [1] é como chama o último ônibus da madrugada, o derradeiro, aquele que socorre os passageiros antes do amanhecer. Na verdade, é um pássaro sertanejo que tem hábito noturno e, por isso, carrega certo mistério, de agouro. Diz-que está extinto, menos na pequena comunidade de mesmo nome, que dá título ao filme de Kleber Mendonça e Juliano Dornelles. E quem nasce em Bacurau é o quê? – “É gente”, informa o menino no bar aos sulistas. Ora, então se pode dizer que Bacurau é todo lugar, universal. Como não lembrar do “sertão é o mundo”, de Grande sertão: veredas?

terça-feira, 1 de outubro de 2019

O golpe em crise capital

Ensaio
Por Armando Rodrigues Coelho Neto, jornalista, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-integrante da Interpol em São Paulo.

Título completo: “O golpe em crise capital: a herança maldita do MPF para o STF”.

Escancarada a crise do golpe e da cultura capital, a Corte Suprema tem também o desafio de se libertar da presunção de que a política é corrupta, algo tão real quanto a presunção de que o STF sempre foi um grande balcão de negócios.

STF: guardião das liberdades e do Estado democrático? 

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

O sadismo da procuradora arrependida

Ensaio
Por Armando Rodrigues Coelho Neto, jornalista e advogado, delegado aposentado da Polícia Federal e ex-integrante da Interpol em São Paulo.

Título completo: 'O sadismo da procuradora arrependida: “Desculpa, uma ova!”'.

O Direito Penal contempla a figura do “arrependimento eficaz”, cujo exemplo clássico é tentar matar alguém com veneno; o criminoso arrependido logo após o ato, ministra o antídoto.



Prazer sexual na dor física ou moral dos outros é o conceito mais simples de sadismo, palavra que tem origem no Marquês de Sade (França), cujos personagens por ele criados se envolvem em crimes, “comportamento sexual atípico”, depravações e ou situações abjetas envolvendo crianças – impublicáveis neste contexto. Apropriado pela ciência, o termo passou a abranger perversões sexuais latentes, enrustidas, que transparecem em atitudes fora de quatro paredes. Sem distanciar-se muito da sexualidade, o psicanalista alemão Erich Fromm (1900/1980) fala de “sadismo frio”, que revela as mesmas características do “sadismo sensual e sexual”, posto materializar-se por meio da dominação e controle sobre outra pessoa (leia-se: poder).

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Tiroteios virtuais

Ensaio
Por Ettore Medina, Cientista Social, Doutor em Ciências Sociais, Professor de Sociologia no Ensino Médio na Rede Estadual Paulista de Educação. Investiga Budismo, Comunicação não-violenta e Cultura de Paz.



Título completo: “Tiroteios Virtuais: notas sociológicas sobre Video Games, Educação e Sistema Perceptivo”.

Nestas notas uso como forma o relato. Assim, a narrativa e suas descrições partem da minha memória dos acontecimentos, são aproximadas e permeadas de ficção. As reflexões teóricas são um tanto apressadas, mas, a meu ver, valorosas, por tentarem tecer interpretações sobre o que foi vivenciado. Este relato também é uma defesa da permanência da disciplina Sociologia na grade curricular nacional.

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

Não podemos nos conformar!

Ensaio
Por Gleydson Góes, militante do PSOL do Cabo de Santo Agostinho/PE e ex-candidato a prefeito da mesma cidade em 2016.



Se colocamos água num recipiente redondo e a congelamos, que forma terá o cubo de gelo? Sim! Redonda! Se por outro lado, o recipiente for triangular, achatado ou quadrado, que forma terão os cubos de gelo? Evidentemente o formato da “fôrma”.

domingo, 1 de setembro de 2019

Cartas de Londres (6) – A civilização está muito doente. Há saída?

Ensaio
Por Robério Paulino, professor do Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). No momento, realiza estágio pós-doutoral na SOAS University of London. Fundador do PSOL, candidato a governador do RN e a prefeito de Natal em 2012, 2014 e 2016.



Desesperar, jamais.
Aprendemos muito nestes anos...
Do balanço de perdas e danos.
Já tivemos muitos desenganos.
Já tivemos muito que chorar...
Mas agora acho que chegou a hora de fazer valer o dito popular...
Ivan Lins

A sociedade humana está profundamente doente. Há uma grave crise moral e de perspectiva da civilização. Que futuro queremos? Que tipo de sociedade almejamos? O modo de vida humano hoje, sob o capitalismo, é sustentável para o planeta? Temos o direito de extinguir milhares de espécies para nosso bem-estar? Parte importante das populações de alguns países questiona se a limitada democracia parlamentar dos regimes capitalistas é desejável ou é melhor regressar a regimes autoritários que restaurem a “ordem” perdida. Uma sociedade alternativa, como o socialismo, ainda é possível? A saída é individual ou coletiva? Trata-se de um declínio de valores morais e de profunda insegurança quanto ao futuro comum da humanidade.

sábado, 31 de agosto de 2019

Cartas de Londres (5) – Lembrar a escravidão negra transatlântica

Ensaio
Título completo: Cartas de Londres (5) – Lembrar a escravidão negra transatlântica para que nunca mais aconteça. O Museu Internacional da Escravidão em Liverpool.

Por Robério Paulino, professor do Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). No momento, realiza estágio pós-doutoral na SOAS University of London. Fundador do PSOL, candidato a governador do RN e a prefeito de Natal em 2012, 2014 e 2016.



quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Zé Dirceu: as referências perdidas

Ensaio
Por Modesto Neto, que é historiador, cientista social, professor do Departamento de História da UERN, autor de “A democracia no Brasil” (Gramma Editora, 2018), dirigente do PSOL-RN e colunista do Contrapoder.

José Dirceu após condenação em segunda instância

José Dirceu figura no imaginário de setores da juventude de esquerda, em especial nos jovens que se referenciam no Partido dos Trabalhadores, como o símbolo máximo do autêntico militante socialista. Sua trajetória no movimento estudantil, a prisão, o exílio durante a Ditadura, a estada em Cuba, a clandestinidade, a construção do PT, corroboram para a constituição da insígnia que Dirceu se tornou na cabeça de muitos.

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Cartas de Londres (4) – A depredação do túmulo de Marx

Ensaio
Título completo: Cartas de Londres (4) – A depredação do túmulo de Marx, Cristo, Galileu: o mérito e o alto preço de andar à frente do seu tempo.

Por Roberio Paulino, professor do Departamento de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). No momento, realiza estágio pós-doutoral na SOAS University of London. Fundador do PSOL, candidato a governador do RN e a prefeito de Natal em 2012, 2014 e 2016.

Autor no cemitério Highgate

Em mais um de meus fins de semana após uma jornada intensa de trabalho, em um sábado, logo cedo fui ao Cemitério de Highgate, onde está o túmulo de Marx e de sua esposa Jenny, que teve a placa com seus nomes vandalizada em fevereiro deste ano, muito provavelmente por grupos fascistas. Lá chegando, realmente emocionado, porque para mim aquele momento se revestia de um imenso significado, de uma grande simbologia, já que, como eu, muitos de minha geração construímos grande parte de nossa visão de mundo e guiamos nossa ação transformadora em boa medida sob a influência das ideias desse gigante, encostei minha mão no seu túmulo e perguntei a ele: “Marx, já não é hora de descansar?” Ele me respondeu: “bem que eu gostaria, mas não me deixam”.

domingo, 25 de agosto de 2019

Para além de uma oposição parlamentar e parcial

Opinião
Por Marcilio Duarte, aprendiz de uma antropologia do reequilíbrio.

Manifestações contra a destruição da Amazônia

Pelas inúmeras manifestações espontâneas contra Bolsonaro, existe uma clara tendência ao enfrentamento de massas contra o seu governo no sentido de sua derrubada. Sem contar, e talvez seja isso o mais importante, a enorme adesão à palavra de ordem “Fora Bolsonaro” nas manifestações dos movimentos sociais e populares que aconteceram recentemente.